segunda-feira, 20 de novembro de 2017

14- William Carvalho

O que não dizer sobre Sir William?
Há muitos anos atrás, ia explorando eu o que andavam a fazer os nossos emprestados por esse clubes por aí e havia um jogador no qual eu acreditava que poderia ter algum futuro no Sporting. Os vídeos dos jogos mostravam influência na equipa, bons passes, boas exibições e até golos. Estava emprestado ao Cercle Brugge, clube belga com o qual o Sporting teve um acordo no qual enviou alguns jogadores da formação para rodarem na Jupiler League. E um jogador estava a aproveitar o empréstimo melhor do que todos os outros.

Esse jogador... era Renato Neto.
Aparentemente, na sua sombra estava um tal de William Carvalho (um que até tinha sido posto em campo frente ao Vitória de Guimarães a um minuto do fim... quando o Vitória empatou), trinco forte mas mais despercebido do que o seu colega brasileiro.

Estava longe de acreditar que na época de 2013/14, com a chegada de Leonardo Jardim, William Carvalho fosse sequer fazer parte da pré-época. Nem na bélgica acreditavam muito nisso. Ou nele mesmo.

Mas para surpresa de todos, William foi aposta e, bem, desde essa época que nunca mais largou o lugar no 11 do Sporting, somando até ao momento 165 jogos pelo clube de Alvalade, 10 golos e 14 assistências.

No Cercle fez 52 jogos, 3 golos e 3 assistências.

Por Portugal conta até ao momento com 40 internacionalizações, 2 golos e 1 assistência.


Olhando ao histórico relativamente recente da formação do Sporting, "apenas" Miguel Veloso, Carriço e Dier (ambos adaptados) se aproximam daquilo que William fez desde que se impôs em Alvalade. Nenhum deles chegou sequer perto. Carriço e Veloso chegaram a usar a braçadeira também, mas um era central de raiz e outro um jogador de características muito próprias. Dier hoje é dos melhores trincos da atualidade, e para sempre me ficará como uma espinha na garganta a forma como saiu do Sporting, mostrando menos do que podia.

William, ou Sir William, tornou-se num dos melhores trincos do mundo. Sem exagero. A sua primeira época ficará para sempre na minha memória. Que estrondo. Exibições belíssimas. Que monstro de jogador. Ainda hoje me dá ideia que foi a sua melhor época a nível exibicional (mas não estatístico). Ficou-me na retina um excelente jogo frente ao FC Porto.

Atualmente encontra-se a fazer uma época que talvez me venha a mudar o discurso quanto à sua melhor época de sempre. Não teve muitas férias mas manteve o nível que exibiu na Taça das Confederações.

É um orgulho ter um craque do nível de William, de sir William. A sua saída é sempre um cenário a ter em conta. Aproveitemos todos os minutos.

As melhoras William, força!


___________________________________________________________________________
Rever análises anteriores ao plantel:
4- Coates
10- Alan Ruiz
___________________________________________________________________________
SEGUE-NOS NO FACEBOOK!



quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Sporting 2-0 Famalicão | Bruno Fernandes e pronto

"Encarar o adversário com seriedade", "respeitar o opositor", etc. 

Não gosto dessa conversa de treta, porque muitas vezes o que acontece é que simplesmente a equipa poupou-se, apanhou um susto e teve de acelerar um bocado.

E acho que foi um pouco do que se passou esta noite.

Jogamos bem, mas nada do outro mundo. Atenção, o Famalicão esteve muito bem, tem alí 2/3 jogadores de qualidade (o Rui Costa esteve especialmente bem, quase que me atrevo a dizer que ter falhado o penalty foi uma pena, mas frente a Rui Patrício tremem muitos). Mas temos de ser audazes, temos de ambicionar golear num jogo destes, mesmo a jogar com Petrovics e Mattheus.

A verdade é que teve-se de meter o Bruno Fernandes (sem esquecer Gelson) que ainda há poucos dias jogaram pela seleção. 

Duas assistências do craque ex-Sampdoria, oferecendo golo às cabeças de Coates e Dost (aí está ele outra vez).

Que todos aproveitem bem agora estes dias para preparar o próximo jogo!

Podence a mostrar que merece mais minutos, o rapaz tem qualidade.

Ah, e de reparar que Palhinha joga mais facilmente contra a Juventus do que contra o Famalicão. Daquelas coisas que por mais que tente não consigo entender. 

Ganhámos, seguimos em frente na taça e o Coentrão jogou os 90 minutos. Fim de história.

Ah, e mais um para o Varandas ver, Jonathan nem meia hora durou.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

13- Stefan Ristovski


Bem, pouco há a dizer sobre o macedónio neste momento visto que ainda só participou em 5 jogos (4 a titular e 1 a entrar a dois minutos do fim).

Tudo indica até ao momento que temos defesa-direito. Defesas direitos para ser mais correto, mas a análise a Piccini virá mais tarde.

Garra, muita luta e capacidade defensiva são as principais valias vistas até ao momento, sendo que esta época até tem 1 golo e 4 assistências, tudo em 4 jogos nos playoffs de champions, num total de 7 jogos pelo antigo clube HNK Rijeka. Sim, antigo, porque o Sporting já exerceu a compra do jogador.

Pelo que andei a investigar Ristovski também já jogou a defesa-esquerdo, mas não de forma constante. Também, de qualquer forma, adaptar um defesa-direito ao lado oposto quando apenas temos dois não é muito sensato. Mas para desenrascar lá poderá servir (just sayin). Vou só pôr ali uma velinha para que o Coentrão não se lesione e o Jonathan não faça asneiras até Maio.

25 anos
30 jogos e 1 golo pela Macedónia (grande golo marcado frente à Espanha, numa grande arrancada que acabou com um grande pontapé)




Vindo de um campeonato com pouca visibilidade, este parece-me ser um daqueles negócios que raramente acontecem, de jogadores praticamente desconhecidos que se tornam grandes surpresas e bons jogadores (e retorno financeiro). Não me importava nada de encontrar um Slimani todos os anos, e espero que Ristovski seja uma espécie de Slimani e se torne um grande jogador no Sporting.
___________________________________________________________________________
Rever análises anteriores ao plantel:
4- Coates
10- Alan Ruiz
___________________________________________________________________________
SEGUE-NOS NO FACEBOOK!



terça-feira, 7 de novembro de 2017

12- Nós,os adeptos!

Na verdade acho que é o Jubas que usa o 12 em campo
É difícil falar sobre o que este clube significa para nós. Que nos move, nos une, nos faz sofrer, chorar, rir e gritar bem alto "Sporting!".

Tornei-me Sportinguista por influência da minha família paterna. O meu avô é sportinguista, fez o filho ser mais um e este fez-me a mim ser. Até a minha mãe, portuense e nascida numa família de portistas, cedo decidiu ser diferente e apoiar o verde-e-branco. Sou jovem, pouco me lembro dos festejos do nosso último campeonato, apesar de guardar religiosamente uma camisola desse ano que, obviamente, está longe de me servir hoje em dia.

O ano da taça UEFA em Alvalade, do trajeto épico culminado em Alkmaar e da facada que foi perder em casa.

Desde 2007/08 que comecei a comprar os guias da época de um jornal desportivo, a seguir as notícias todos os dias, a ficar doente por não poder ver os jogos. Lembro-me bem de um jogo contra o Estrela da Amadora nesse ano, Taça de Portugal, havia algo de importante na televisão (mais importante que o Sporting, imagine-se) e a minha mãe, com todo o seu inquestionável estatuto, apoderou-se da TV e fui a correr para o meu quarto ouvir o resto do jogo no rádio. Estava 0-0. Eram os quartos-de-final e o jogo não desatava. Purovic (lol) entra em campo. Aos 90 minutos, após jogada no lado direito Purovic marca. Deliro. Ia virando o meu quarto de pantanas com o delírio. Ouvir jogos no rádio hoje já não me deixa tão nervoso como antes, mas nesse dia... Bem, depois vi o resumo e realmente foi um golo para recordar, não só porque nos fez seguir em frente numa competição que acabaríamos por vencer (jogo da vida de Tiuí, outra lenda), mas também porque foi um dos golos mais "mijados" que já vi na vida.




Agora em retrospetiva digo que foram tempos engraçados em Alvalade. Izmailov com uma bomba deu-nos a Supertaça contra o Porto, que mais tarde acabariamos por vencer nessa final da Taça. Porra, o Tiuí bisou e até de bicicleta marcou.
É bem possível que o meu sportinguismo tenha explodido com a vitória na Taça de Portugal no fim da época anterior, com golo de Liedson frente ao Belenenses de... Jorge Jesus.



Desde aí muito episódios para mais tarde relembrar. A Supertaça ganha com bis de Djaló,  passagem em Twente com "golo" de Patrício, a primeira passagem aos oitavos da champions, a Taça Lucílio, a eliminação do Manchester City na Liga Europa, a Taça de Portugal após reviravolta frente ao Braga e a supertaça frente ao Benfica.

Tem falhado o campeonato. Já são bastantes anos a ver o verdadeiro título fugir.

E é isso que me faz deixar esta nota mais pessoal para entrar no assunto dos adeptos em si.

Muitos se perguntam como podemos apoiar desta forma incondicional o Sporting após tantos anos de seca e de uma forma crescente. A resposta é sempre a mesma: não se explica, sente-se.

Passámos por momentos duros. A época em que ficámos em 7º lugar foi o fundo do poço. Foi muito mau. Treinadores e treinadores, más contratações e uma aposta como nunca antes vista na formação por falta de meios. Infelizmente (ou felizmente) durante o aparecimento de uma geração que prometia bastante (Cédric, Ilori, Dier, Pedro Mendes, João Mário, Zezinho, Esgaio, Bruma e Betinho). Alguns deles não chegaram muito longe e dificilmente o farão. Talvez noutras condições tivessem tido melhor sorte (falo de casos como Ilori e Bruma, que saíram cedo e mal). Outros ganharam com isso como Dier, que se tornou aposta regular.

Com o início da presidência de Bruno Carvalho as coisas mudaram. Um verdadeiro adepto a presidir o clube criou uma áurea diferente no clube que uniu outra vez os sportinguistas. Melhores contratações, estádio mais cheio numa tendência que ainda hoje se mantém de ano para ano, barreira dos 100.000 sócios ultrapassada, boas escolhas para treinadores e continua aposta na formação. Muitos erros à mistura, mas isso é outra conversa.

Se fosse pelo nosso amor e sofrimento por este clube já teríamos sido campeões nos últimos anos. Jogamos quase sempre em casa, seja em Vila do Conde, Chaves, Braga ou Santa Maria da Feira. A Onda Verde que se formou foi muitas vezes uma força extra para os nossos jogadores.

A raiva de vermos "o nosso grande amor" a ser tratado de forma desigual e injusta na comunicação social, com notícias inventadas e não-notícias que nos querem destabilizar. Os ataques ao presidente, as polémicas com os jogadores e o treinador.

Ser do Sporting é ser apaixonado pela Maior Potencia Desportiva Nacional, por um clube eclético, com princípios e iniciativa.

Ser do Sporting é sofrer sempre todos os jogos quer seja uma final ou um jogo para cumprir calendário.

Ser do Sporting não se explica, sente-se.
___________________________________________________________________________
Rever análises anteriores ao plantel:
4- Coates
10- Alan Ruiz
___________________________________________________________________________
SEGUE-NOS NO FACEBOOK!



segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Off-Topic | Portugal está assim tão mau de avançados?

Notícia no site da TSF
É assim, a gente bem sabe que a posição de Ponta de Lança, no caso dos portugueses que exercem essa função, está sob alguma crise. Desde há uns anos atrás (Hugo Almeida, Makukula,... credo) que esta posição apresenta um desnível relativamente às outras.

Ultimamente as coisas melhoraram com André Silva (admito, tem alguns defeitos, mas tem qualidade para ser um grande ponta de lança e apresenta muito bons números até ao momento). Bem, sem esquecer o herói Éder, que nos deu o nosso único título e terá sempre o nosso obrigado, mas... Éder em geral é fraquinho.

A última convocatória de Fernando Santos apresentou muitas novidades e surpresas (nível de exigência inferior, vêm aí experiências e testes) como a inclusão de jogadores como Kevin Rodrigues (Real Sociedad, próximo Raphael Guerreiro?), Ricardo Ferreira (SC Braga), Edgar Ié (Lille, olhem só quem é ele), Rony Lopes (Mónaco) e Bruma (Leipzig).

Éder lesionou-se e não vai poder ir. Ok.

Pergunta: quem o vai substituir?
Paulinho (Braga) que teve um início de época bastante bom? (5 golos e 3 golos)
Hugo Vieira não que está lesionado
Rui Fonte? (Fulham, 3 golos e 2 assistências)
Nélson Oliveira (Norwich, 5 golos)
Orlando Sá (Standard Liége, 6 golos)

Opah, Tomané (Tondela, 3 golos e 3 assistências)?

Não.
Gonçalo Paciência, Vitória de Setúbal, com 3 golos e 2 assistências.

Já cheguei a dizer que via bastante potencial no jogador (alto mas com técnica), mas atualmente?....

Ser filho de certas pessoas... e, claro, estar ligado contratualmente a certos clubes...

Talvez venha a tornar-se um jogador de seleção no futuro (quem sabe?) mas mesmo nesta altura de testes acho que havia opções melhorzinhas. Ou pelo menos mais justas.

Rafael Leão, Pedro Marques, Rui Pedro, José Gomes: trabalhem que há lugar para vocês!

Acham que Portugal vai ter algum grande PL no futuro?

E voltemos assim ao Sportinguismo.